Yukio Tsukada

     A arte é intrínseca ao ser humano. Todos temos este dom divino de criar, de fazer e de transformar; uns mais, outros menos.
     Certamente o fator oportunidade, no local certo e na hora certa é que permite que possamos expressar o que nos vai na alma.
     Através das mais diversas formas, técnicas e de materiais conseguimos invadir os pensamentos, corações e espaços, levando alegrias, saudades, emoções, lembranças e, porque não, até tristeza.
     O artista é aquele que consegue através de sua arte mexer profundamente com os mais nobres sentimentos do homem. Assim foi comigo, que após longos anos de trabalho em área altamente técnica e muito lógica, fui encontar na argila a minha melhor e maior forma de expressar meus sentimentos.
     Embora tenha iniciado esta nova atividade com os ano já avançados, isto acontece na melhor fase de minha vida. Afirmo que é fantástico poder utilizar de elementos tão naturais como o barro, a água e o fogo para preencher meus dias, poder criar objetos que possam agradar as pessoas, e também fazer parte de suas vidas e de locais importantes e íntimos de seus lares.

     Nascido em São Paulo e filho de pais japoneses, imigrantes da cidade de Kumamoto, localizada no extremo sul do Japão, sente na sua alma de oriental sua identidade e o seu ponto de partida. Reconhece nas suas raízes o caminho a ser seguido como uma formação de estilo e o aplica no desenvolvimento do seu trabalho.

 

     Ao lado da precisão e do domínio da racionalidade do Analista de Sistemas está a forte influencia genética da tradição milenar dos orientais com a cerâmica e o seu anseio pela convivência neste universo de criação. Isso ficou demonstrado no seu gosto particular por essa arte onde a descoberta do prazer em trabalhar com a argila lhe deu liberdade para a busca de novas emoções e a renovação da inspiração em cada objeto que cria.
     O estilo oriental sugerido nas suas criações é a prova que não é necessário se romper com o passado para ser um artista contemporâneo. Estuda sobre os antigos métodos dessa arte, recuperando-os e fazendo combinações com o desenvolvimento de uma nova tecnologia, criando assim uma simbiose entre os dois para depois utiliza-los em suas peças.
     Tem ido a fundo nas pesquisas sobre a cultura dessa arte no Japão e aqui no Brasil; como diz bem a frase "fala de sua aldeia para ser universal” . Mostrando assim que pode ser reconhecida e valorizada sua arte e que o seu trabalho aponta para um caminho contemporâneo e brasileiro na reconquista de seus propósitos.
     Na década de 90 se dedicou a novos projetos e passou a avaliar outros aspectos em relação as artes, estudar outras técnicas e descobrir sua total identificação com a cerâmica. No final de 99 se direcionou definitivamente para a cerâmica, participando de vários cursos e workshops em São Paulo e outras cidades do nordeste finalizando com uma especialização no Japão, na cidade de Kumamoto, no Pottery Yamako, do artista Koichi Yamamoto (setembro/2002 a abril/2003), onde pode aprimorar os conhecimentos sobre a cerâmica japonesa, quanto as tradições, formas, cores e gosto.